quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Casa Brasil África discute Ciência e Tecnologia de Angola

A Casa Brasil-África (CBA) da UFPA realizou, nesta terça-feira, 24 de janeiro, a palestra Angola e suas Estruturas de Ciência e Tecnologia na Contemporaneidade, ministrada pelo professor doutor Alfredo Buza, do Instituto Superior de Educação (ISCED) de Luanda e do Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT) de Angola. O evento contou com a presença de autoridades da instituição, assim como de professores e estudantes de diversas áreas do conhecimento. A programação ocorreu no miniauditório do Programa de Pós-Graduação em Antropologia (PPGA), localizado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da UFPA.
Participações - Estiveram presentes ao evento o vice-reitor da UFPA, professor Gilmar Mendes; a coordenadora do Grupo de Estudos em Educação Cultura e Meio Ambiente (GEAM), professora Marilú Campelo; e o coordenador do PPGA, professor Diogo Costa.

Programação - A abertura foi marcada pela exibição de um documentário, produzido em parceria com o Laboratório de Estudos Bioantropológicos em Saúde e Meio Ambiente (Lebios) da UFPA e a Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (Unilab), o qual retrata o trabalho desenvolvido pela parceria entre Brasil e Angola, por meio do Projeto ECOSS, relacionado à educação de jovens e adultos naquele país.
Logo após, o vice-reitor Gilmar Mendes falou sobre a importância do diálogo entre a UFPA e os países. “Nós, da administração s
uperior da Universidade, queremos trabalhar a universalidade da UFPA. Além disso, o nosso compromisso com os países africanos tem sido o foco central. Nos próximos quatro anos, nós pretendemos nos aproximar, cada vez mais, desses países, com o intuito de fortalecer nossa cultura e dar visibilidade aos intercambistas aqui, da Universidade”, declarou.
Palestra - Após as apresentações iniciais, o professor Alfredo Buza ministrou a palestra Estruturas de Ciência e Tecnologia na Contemporaneidade. Estudantes de diversas áreas do conhecimento, como Geografia, Ciências Sociais e Biomédicas e da Saúde, puderam entender melhor a estrutura geopolítica e econômica do continente africano e seus principais países, além de conhecer o sistema de ciência e tecnologia em Angola.
Em seguida, ocorreu um debate sobre o conteúdo abordado e a possibilidade de cooperação entre as instituições angolanas e brasileiras, em especial a UFPA, mediado pela professora Jacqueline Serra-Freire, do Grupo de Pesquisa e Extensão Educação e Cooperação Sul-Sul (ELOSS) e da Unilab.
Internacionalização - A palestra faz parte de um ciclo de atividades realizadas pela Casa Brasil-África durante o ano. O professor doutor Hilton P. Silva, coordenador da Casa, ressaltou a importância dessas programações. “Os nossos estudantes precisam conhecer a diversidade que existe dentro da universidade, com a forte presença de alunos estrangeiros, e também se preparar para a internacionalização da Instituição conhecendo a realidade de outros países”.
Atualmente, a UFPA recebe cerca de uma centena de alunos africanos, naturais de 18 países, além de diversos latino-americanos e da América Central. Segundo o professor, “nós temos muitas oportunidades de cooperação a
cadêmica ou profissional, é importante que os estudantes entendam que nada os impede de buscar o mercado de trabalho em outros países. Esta é uma atitude essencial, pois amplia a internacionalização da UFPA, seja no âmbito da recepção, seja no envio de acadêmicos, objetivando a participação nas ações desse mundo mais globalizado” concluiu.
Próximo evento - No dia 6 de fevereiro, às 10 horas, será a vez da professora doutora Juliana Canga ministrar a palestra intitulada Educação em Angola: realidade, desafios e perspectivas. O evento ocorrerá no auditório do Instituto de Ciências da Educação (ICED) da UFPA, Campus Profissional.
Para mais informações, acesse aqui o Blog Casa Brasil-África.
Texto: Edielson Shinohara - Assessoria de Comunicação da UFPA.
Fotos: Alexandre Moraes
Publicado em: 24.01.2017 18:00

sexta-feira, 20 de janeiro de 2017

Casa Brasil África, Prointer e pesquisadores angolanos discutem pós-graduação

O coordenador da Casa Brasil África (CBA), professor doutor Hilton Silva, e o pró-reitor de Relações Internacionais em exercício, professor doutor Claudio Szlafsztein, reuniram-se com os pesquisadores angolanos, professor doutor Alfredo Buza, do Instituto Superior de Ciências da Educação de Luanda (ISCED) e diretor do Gabinete de Recursos Humanos do Ministério de Ciência e Tecnologia (MinCT); a professora doutora Juliana Canga, do Instituto Superior de Serviço Social (ISSS); e a doutoranda do IEMCI/UFPA, Ruth Canga Buza, para discutir a ampliação das relações da UFPA com instituições daquele país. Participaram também da reunião a professora Jacqueline Serra Freire, da Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-Brasileira (UNILAB), que atualmente faz pós-doutorado no Programa de Pós-graduação em Educação Básica (PPEB/ICED) e colabora com a CBA; e o vice-reitor da UFPA, professor doutor Gilmar Pereira da Silva.
Na reunião foram apresentadas as atividades da CBA e a proposta, em fase de construção, do mestrado em Estudos Africanos e Afro-Diaspóricos (PPGEAAD). O tema central da reunião foi a colaboração entre professores/pesquisadores brasileiros e angolanos em projetos de formação inicial e continuada, com especial atenção para a pós-graduação, lato stricto sensu.
O coordenador da CBA resgatou diálogos já mantidos desde 2014, em que a UFPA tem se dedicado à construção de uma rede de parcerias com instituições de Angola, com destaque para a Universidade Independente de Angola (UnIA), em que seu reitor, o professor Filipe Zau, tem sido um dos principais interlocutores, especialmente após sua visita à UFPA, em 2014. A reunião, ocorrida no dia 10 de janeiro, apontou o interesse mútuo e perspectivas concretas de construção de parcerias com instituições de ensino superior de Angola, na direção do desenvolvimento de programas, projetos e publicações conjuntas.
O vice-reitor da UFPA enfatizou a importância da cooperação acadêmica na perspectiva sul-sul, com especial atenção a parcerias com países africanos, na perspectiva do fortalecimento de relações interuniversitárias internacionais, produção de conhecimento e construção de soluções para problemas que irmanam a Amazônia e países da África.
Para os professores Alfredo Buza e Juliana Canga, que tem experiências acadêmicas na UFRA e na UFPA onde, respectivamente, realizaram seus doutorados, a reunião na UFPA resgata um desejo antigo de estabelecer vínculos de cooperação acadêmica . Com entusiasmo, ambos assumiram compromissos de fomentar diálogos em Angola com vistas à constituição e fortalecimento da parceria.
O pró-reitor em exercício da Prointer, professor doutor Claudio Szlafsztein, pontuou a importância do trabalho que a CBA vem fazendo na UFPA em buscar aproximação com os países africanos, mas também com os países latino-americanos e caribenhos, origem de muitos de nossos estudantes. Ele destacou a experiência exitosa do Mestrado em Segurança Pública, liderado pela UFPA, em parceria com a Universidade de Cabo Verde (Uni-CV), também destacada pelo Vice Reitor e pelo Coordenador da CBA.
Para Jacqueline Serra Freire, do Grupo de Pesquisa e Extensão Educação e Cooperação Sul-Sul (ELOSS), a participação na reunião fortalece os vínculos entre a UFPA e a UNILAB, assim como oportuniza avanços no diálogo com instituições de países africanos.
Em agenda subsequente, o chefe de gabinete do reitor, professor doutor Marcelo Galvão Baptista, reiterou o interesse e compromisso da UFPA em aprofundar agendas de cooperação com os países africanos, especialmente os Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP), irmanados com o Brasil pela história, cultura e língua.
Da reunião também resultou uma agenda de apresentações, abertas a toda a comunidade universitária e extra-muros. No dia 24 de janeiro, às 10h, o professor Alfredo Buza fará uma palestra sobre “Angola e suas estruturas de ciência e tecnologia na contemporaneidade”; e no dia 6 de fevereiro será a vez da professora Juliana Canga ministrar uma palestra com o tema “Educação em Angola: realidade, desafios e perspectivas”. Ambos os eventos ocorrerão no Mini-auditório do Programa da Pós-Graduação em Antropologia (PPGA) da UFPA, localizado no Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campus Básico.
Texto e foto: Divulgação
Publicado em: 19.01.2017 17:00

quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Alunos do cadastro de reserva do Programa Permanência são convocados

A Superintendência de Assistência Estudantil (SAEst) realizou chamada para alunos que se encontram no cadastro de reserva do Programa Permanência, que disponibiliza auxílios para estudantes em situação de vulnerabilidade socioeconômica, com o intuito de ofertar 222 auxílios permanência e 37 auxílios moradia. Para visualizar o resultado, clique aqui. Para receber os auxílios, os candidatos deverão observar algumas orientações.
Habilitação - Os candidatos selecionados devem realizar a habilitação até às 17 horas do dia 16 de janeiro de 2017. Esse período não será prorrogado e o discente que perder o prazo será desclassificado. Os candidatos devem cadastrar, no Sistema Gerencial de Assistência Estudantil – SiGAEst, os dados de sua conta bancária, lembrando que será aceita somente conta corrente ativa no nome do próprio contemplado. Quem reside em Belém e não possui conta corrente pode solicitar na SAEst um memorando para abertura de conta bancária.
Auxílios - Os Auxílios Permanências e Auxílios Moradias são ofertados no valor de R$ 400,00. Sendo que o Auxílio Permanência é destinado ao custeio das despesas com transporte, alimentação e material didático-pedagógico, já o Auxílio Moradia tem como objetivo auxiliar despesas com aluguel ao discente que seja oriundo de outro município ou de localidade distante do município sede do campus universitário ao qual está vinculado.
Os selecionados não receberão pagamento de retroativo, ou seja, serão disponibilizadas sete parcelas do auxílio, no período de janeiro a julho de 2017. É válido lembrar que, para continuar recebendo os auxílios, após esse período, o discente deve se inscrever no próximo processo seletivo referente ao Programa Permanência do ano de 2017.
Auxílio Permanência - É importante ressaltar que os discentes chamados do cadastro de reserva para receber o Auxílio Permanência não poderão acumular o auxílio com qualquer outro tipo de bolsa. Caso o discente faça a opção pelo Auxílio Permanência, este deve apresentar à SAEst uma declaração comprovando o desligamento da atual bolsa. O discente que não realizar esse procedimento no período de habilitação será automaticamente desligado, e a SAEst convocará novos discentes que se encontram no cadastro de reserva.
Auxílio Moradia - O discente contemplado com o Auxílio Moradia deverá anexar no Sistema SiGAEst a cópia do Contrato de Aluguel registrado em cartório e os dois últimos recibos de pagamentos, no prazo de sessenta dias após o recebimento da primeira mensalidade do auxílio, sob pena de ter o auxílio cancelado. Caso o contrato de aluguel não esteja em nome do discente, deverá ser anexada uma declaração registrada em cartório, emitida pelo locatário, justificando os motivos de o contrato não estar em nome do discente e informando que o discente reside no imóvel.
Serviço:
Programa Permanência 2016: Chamada do Cadastro de Reserva
Habilitação: Até às 17 horas do dia 16 de janeiro de 2017
Acesse o site da Proex
Informações: (91) 3201-7346
Texto e arte: Divulgação / Proex
Publicado em: 09.01.2017 18:00

segunda-feira, 9 de janeiro de 2017

PróLínguas oferta 420 vagas gratuitas para línguas estrangeiras

Estão abertas as inscrições para o acesso a Cursos de Línguas Estrangeiras do Projeto PróLínguas, de iniciativa da Superintendência de Assistência Estudantil (SAEst) da Universidade Federal do Pará (UFPA). São 420 vagas gratuitas, distribuídas em três modalidades: 320 para Inglês, 50 para Espanhol e 50 para Francês. O processo seletivo é regido pelo edital nº 01/2017/SAEst/UFPA.
O PróLínguas 2017 é voltado para alunos de graduação da UFPA em situação de vulnerabilidade socioeconômica. A ação objetiva ampliar a formação acadêmica e profissional do estudante com o desenvolvimento de habilidades de leitura, compreensão e escrita em línguas estrangeiras. O projeto também possibilita a participação dos alunos em programas vinculados ao processo de internacionalização da Universidade.
Inscrição – O estudante poderá realizar a inscrição no período de 14h do dia 03 até as 17h do dia 16 de janeiro de 2017 no Sistema Gerencial de Assistência Estudantil (SiGAEst), disponível neste site.
Para novos candidatos, as vagas são somente para o 1º nível da língua escolhida. O primeiro passo para participar é acessar o Sistema Gerencial de Assistência Estudantil (SiGAEst), realizar a inscrição, aguardar o resultado preliminar e o resultado final.
Candidatos à renovação -  Estudantes que já fazem parte do projeto PróLínguas precisam garantir a renovação da vaga no site da Fadesp. Em seguida, o aluno deve realizar a pré-matrícula e renovar a vaga no curso livre (inglês, francês e espanhol), escolhendo a turma e o horário desejado, gerando obrigatoriamente um boleto , de acordo com o cronograma abaixo. Após este procedimento, o aluno deve se dirigir à secretaria dos Cursos Livres do Instituto de Letras e Artes para a entrega do boleto, nas seguintes datas:
2º Nível: de 16 a 17.01.2017
3º Nível: de 18 a 19.01.2017
4º Nível: de 20 a 21.01.2017
5º Nível: de 23 a 24.01.2017
6º Nível: de 25 a 26.01.2017
7º Nível: de 27 a 28.01.2017
Material didático - Será garantido ao discente apto ao curso livre de língua estrangeira, pagamento de um auxílio financeiro, em parcela única, para custeio do material didático (livro), com obrigação de prestação de conta junto à SAEST.
Cadastro de reserva - Será constituído um cadastro de reserva de candidatos novos selecionados, que não sejam contemplados com o número de vagas disponíveis neste edital. Considerando a ordem de classificação obtida por meio da pontuação, os candidatos poderão ser atendidos posteriormente, caso haja desistências, inabilitação, cancelamento ou aumento na disponibilidade financeira.
Serviço:
Inscrição Projeto PróLínguas 2017
Período de inscrição: até às 17h do dia 16 de janeiro de 2017.
Site SAEst
Site  Proex
Site Fadesp
Informações: (91) 3201-7346/7268/8782
Texto e arte: Assessoria de Comunicação SAEst-UFPA
Publicado em: 08.01.2017 15:00

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Bolsista da CBA defende TCC sobre a situação dos alunos do PEC-G e os desafios do acolhimento na UFPA

No dia 3 de janeiro, às 15h30min, no Instituto de Ciências Sociais Aplicadas, o bolsista da CBA Henrique Vieira Moreira, e sua colega Marilia Furtado Ferreira, ambos da Faculdade de Serviço Social, apresentaram seu Trabalho de Conclusão de Curso intitulado “OS ESTUDANTES DO PEC-G, SEU ACOLHIMENTO INSTITUCIONAL E O PROCESSO DE INTERNACIONALIZAÇÃO DA UFPA”. O TCC teve orientação do Prof. Dr. Jean François Deluchey e participaram como membros da banca examinadora o Prof. Dr. Hilton Pereira da Silva e a Profª Msª Tamara Munhoz Aguirre. A pesquisa, que foi conduzida com 72 estudantes estrangeiros, assim como o TCC “CONDIÇÕES DE SAÚDE E ESTADO NUTRICIONAL DE ESTUDANTES VINCULADOS AO PROGRAMA ESTUDANTE-CONVÊNIO DE GRADUAÇÃO DO MUNICÍPIO DE BELÉM – PARÁ”, da graduanda Cristal Marly Machado Torres, da Faculdade de Nutrição do Instituto de Ciências da Saúde, que foi defendido em 2016 e teve como orientadora a Prof. Msc. Ana Lúcia da Silva Rezende, demonstra o compromisso da CBA em apoiar análises sobre esta importante parte do alunado da Universidade. Ao final da apresentação, os mais novos Assistentes Sociais receberam o conceito Excelente. Parabéns!
A seguir os resumos dos dois TCCS recentemente defendidos sobre os alunos do PEC-G.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

UFPA requer R$ 178 milhões em orçamento para 2017

Nos últimos anos o orçamento da Universidade Federal do Pará (UFPA) encolheu, o que aumenta o desafio de administrar a maior universidade da Amazônia. Os números foram apresentados durante o XXVIII Fórum dos Coordenadores dos Campi da instituição, realizado no campus de Castanhal recentemente. Para 2017, a instituição prevê o recebimento de R$ 178 milhões, mais de R$ 41 milhões abaixo do orçamento de 2014.
O painel temático “Diretrizes para o planejamento e execução orçamentária na Universidade Multicampi” reuniu Horário Schneider, pró-reitor de Relações Internacionais (Prointer); Raquel Trindade, pró-reitora de Planejamento e Desenvolvimento (Proplan); e João Cauby Júnior, pró-reitor de Administração (Proad) da UFPA e foi mediado pelo vice-reitor Gilmar Silva.
UFPA receberá 39 alunos estrangeiros - O ex-reitor Horácio Schneider detalhou a reformulação da Prointer e as orientações sobre a institucionalização das parcerias internacionais a fim de aperfeiçoar e regular legalmente as ações que os professores da UFPA mantém com pesquisadores e instituições localizadas fora do país. Ele destacou a importância do envio de estudantes a outras universidades, mas também de recepcionar alunos estrangeiros nos programas de pós-graduação da UFPA.
“No momento, cerca de 39 alunos de universidades estrangeiras estão vindo para a nossa universidade e essa presença é importante porque dimensiona nossa internacionalização”, reforçou o pró-reitor. Entre as parcerias e potenciais acordos, Horácio Schneider apontou a cooperação com a Irlanda, Alemanha e Cabo Verde como exemplos dos diversos tipos de ações conjuntas a serem desenvolvidas.
UFPA planeja os próximos anos – Em fase de finalização do Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) da UFPA para os próximos dez anos, a pró-reitora Raquel Trindade apresentou como funciona a Proplan e os principais marcos do novo PDI da UFPA.
O documento deve reforçar a intenção da universidade em expandir a oferta de ensino, pesquisa e extensão em todo o Estado por meio, principalmente, da criação de novas universidades, como a Universidade Federal do Nordeste Paraense, a ser sediada em Bragança; a Universidade Federal do Xingu, sediada em Altamira; e a Universidade Federal da Amazônia Tocantina, que reúne os campi de Cametá e Abaetetuba, por exemplo.
Outro ponto de destaque é a involução do orçamento da universidade que foi de R$ 219 milhões em 2014, R$ 217 milhões em 2015, R$ 194 milhões em 2016 e deve ser de R$ 178 milhões no ano que vem. “O Orçamento é a previsão. É um planejamento que, desde o final de 2014, não tem sido realizado e esses números aqui apresentados não contêm o contingenciamento, apenas o que era previsto. Mas seus limites tornam ainda mais importante o planejamento e a gestão em todas e em cada uma das unidades da universidade”, ressalta.
Cortes e contingenciamento limitam investimentos - Já o Pró-reitor de Administração João Cauby Júnior, reforçou que o papel da Proad é a administração do que foi previsto e pactuado no orçamento anual em relação aos recursos que efetivamente chegam à instituição anualmente. Em 2016, do total de recursos previstos para investimentos pouco mais da metade efetivamente chegou aos cofres da universidade.
“É um problema que atinge nossa possibilidade de crescimento e de manutenção das obras, mas estamos fazendo todo o possível para que o que é prioridade seja feito e que as demandas de ensino, pesquisa e extensão não esperem. Mas, cada vez mais precisaremos economizar e todos são convidados a ajudar no que é um desafio cotidiano”, garantiu.
Para ele os números revelam a dificuldade do investimento para o crescimento da universidade, que tem se empenhado para melhor administrar os recursos e investir para que as atividades de ensino, pesquisa e extensão não sejam afetadas. 
“Teremos, por exemplo, um aumento de R$ 6 milhões no orçamento da Proeg, Proex e Propesp para 2017, sendo três milhões para o ensino, dois para a pesquisa e um para a extensão. Recursos que estarão à disposição da universidade e de suas subunidades por meio dos editais que cada pró-reitoria disponibilizará”, anunciam João Cauby e Raquel Trindade.
Campi são exemplo de eficiência na gestão - Outra recomendação para lidar com o momento político e econômico atual é a união da comunidade universitária para a economia de recursos. Uma necessidade nesse momento é diminuir a demanda para energia e limpeza, por exemplo. Apenas a conta de energia da UFPA já soma quase R$ 2 milhões por mês.
“Quitamos todos os nossos pagamentos dos grandes contratos como o de energia pontualmente, mas precisamos que a demanda diminua o quanto antes. Cuidando do patrimônio público e evitando desperdícios cada integrante da comunidade ou visitante está ajudando a universidade nesse momento de limitações de recursos”, reforçou o pró-reitor de Administração.
No esforço coletivo para a manutenção da qualidade da UFPA, os campi são um exemplo e inspiração. “A capacidade de gestão dos campi é extraordinária. Não sabemos o que vem pela frente, mas a boa vontade, desejo e cooperação irão nos ajudar a continuar e os campi são o maior exemplo que temos de que podemos fazer muito com pouco. Suas conquistas e criatividade que impulsionaram o crescimento de cada uma das 12 sedes da UFPA nos dão direcionamento, fé e exemplo”, assegurou o vice-reitor, Gilmar Silva, durante o fechamento do XXVIII Fórum dos Coordenadores dos Campi da UFPA.
>> Leia também:
Um a cada três alunos da UFPA estuda em campi do interior
Fórum apresenta universidade multicampi à nova gestão da UFPA
Texto: Glauce Monteiro – Assessoria de Comunicação da UFPA
Fotos: Alexandre Moraes
Publicado em: 07.12.2016 18:00