segunda-feira, 28 de setembro de 2015

CASA BRASIL ÁFRICA ABRE VAGAS PARA OFERTA DE OFICINA DE CRIAÇÃO DE APPS

A Casa Brasil África em parceria com a prointer e Proj UFPA 2.0 pretendem oferecer uma Oficina de criação de Apps virtuais para alunos da UFPA de origem africana e caribenha, quilombolas e indígenas. A oficina já foi ofertada em 2012 e retornamos com a pretensão de uma nova edição para 2015. Para isso precisamos de no mínimo 8 alunos confirmados para fechar a primeira turma e podermos planejar as ações futuras junto com os parceiros.
A oficina dura 3 dias. Ainda será definido se os dias das aulas serão seguidos ou alternados e essa decisão será baseada na necessidade da demanda que apresentar interesse.
Aqueles que tiverem interesse em participar devem enviar solicitação de inscrição para o email: casabrasilafrica@gmail.com informando nome completo, matrícula; curso, país de origem, quilombo ou tribo. Aqueles que preferirem podem comparecer á CBA entre 14:00hrs até as 18:00hrs e deixar seus dados com os estagiários Henrique Vieira ou Serge Houegnon. Aproveite esse horário e as redes sociais para tirar dúvidas.

CBA EM PARCERIA COM A PROEX OFERECE A OFICINA “APRENDER A ESTUDAR” PARA AJUDAR A CONTORNAR AS DIFICULDADES NOS ESTUDOS ACADÊMICOS.

 Na sexta 02/10/2015 será ofertado pela CBA em parceria com a Proex uma oficina para que você esteja pronto para o retorno as aulas. Pretende-se discutir como aproveitar melhor seu tempo de estudo, técnicas para organização e concentração e também estratégias para melhorar a assimilação de conteúdos mais complicados.
A oficina será ministrada pelo coach acadêmico da Proex, na sala de áudio-visual do laboratório do IFCH, no horário das 09:00 ás 12:00hrs.
Aguardamos a participação de todos e todas. 
Atenciosamente,
CBA

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Professor de Cabo verde participa de programação na Casa Brasil-África

Nos meses de setembro e outubro, a Casa Brasil-África da UFPA recebe o professor doutor Bartolomeu Lopes Varela, da Universidade de Cabo Verde (UniCV). Ele é advogado, especialista em direito educacional e doutor em Ciências da Educação, com especialidade em Desenvolvimento Curricular (U. do Minho, 2012). O professor Varela conta com grande experiência sobre a temática educativa em África e tem publicado extensamente sobre controle da qualidade educativa; administração educacional, planejamento e gestão da educação; direito educacional e sociologia jurídica.

Em sua estada na UFPA, o professor Bartolomeu irá ajudar na construção de um projeto de Mestrado em Estudos Africanos e Afrodiaspóricos ligado ao Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), em parceria com a UniCV e outras instituições no Brasil e na África, e na discussão de temáticas relacionadas à educação e inclusão de pessoas em conflito com a lei, no Instituto de Ciências da Educação (ICED) e na Pró-Reitoria de Extensão (Proex), e sobre o líder revolucionário Amílcar Cabral.
Nesta quinta-feira, 24, foi realizada, na sala da congregação do IFCH, uma reunião com os potenciais docentes do futuro mestrado para avançar na discussão e formulação da estrutura do curso. No dia 29 de setembro, ele irá se reunir, pela manhã, com os alunos africanos da UFPA, na Casa Brasil-África, para uma conversa sobre as experiências dos estudantes estrangeiros no Brasil. No dia 30, às 10h, ele fará uma palestra aberta ao público sobre "Educação superior em África: Problemas, desafios e oportunidades de cooperação Sul-Sul", na sala de audiovisual do Laboratório de Antropologia Arthur Napoleão Figueiredo, e no dia 6 de outubro, fará uma última palestra especial, aberta a toda a comunidade universitária e ao público em geral, sobre “O legado de Amílcar Cabral para a educação e a construção de uma nova sociedade”, às 15h, no auditório da Reitoria.
A vinda do professor cabo-verdiano à UFPA foi possível graças ao apoio da Pró-Reitoria de Relações Internacionais (Prointer), Proex, IFCH e da Casa Brasil-África.
fonte:http://www.portal.ufpa.br/imprensa/noticia.php?cod=10802

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

A Casa Brasil-África parabeniza o GEAM pelo Prêmio Camélia da Liberdade recebido este ano.

Grupo de estudos Afro-Amazônico ganha prêmio nacional


O Grupo de estudos Afro-Amazônico da UFPA foi contemplado, na categoria Experiências Educacionais, com o Prêmio Camélia da Liberdade 2014/2015. O Prêmio Camélia da Liberdade – Ação Afirmativa, Atitude Positiva é uma manifestação institucional e pública do Centro de Articulação de Populações Marginalizadas (CEAP), em reconhecimento a iniciativas que promovam as Ações Afirmativas como forma de contribuição para a superação das desigualdades raciais e sociais, de tal forma que fortaleçam os princípios democráticos que regem a nação brasileira.
A premiação está em seu oitavo ano e tem o patrocínio da Petrobras. O objetivo do Prêmio Camélia da Liberdade é incentivar empresas, universidades, governos, instituições públicas e veículos de comunicação a desenvolver projetos de Ações Afirmativas, de valorização da diversidade e de inclusão étnica nos seus quadros, que, ao longo do ano, tenham demonstrado compromissos concretos com a inclusão dos afrodescendentes na sociedade brasileira. Destina-se, também, a personalidades cujas trajetórias estejam vinculadas à luta pela promoção e valorização dos elementos da cultura e identidade negra.
A UFPA, como universidade, já foi contemplada com o prêmio no ano de 2013, na categoria Instituição de Ensino, pela adoção dos sistemas de cotas, juntamente com as universidades do Mato Grosso e de Santa Catarina. Agora, em 2014/2015, o Núcleo de estudos Afro-Brasileiro, mais conhecido como Grupo de estudos Afro-Amazônico, ganhou na categoria Experiências Educacionais na Lei 10.639/03.
De acordo com a coordenadora do Grupo de estudos, professora Marilu Campelo, do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH) da UFPA, a premiação demonstra reconhecimento pelo trabalho realizado com os movimentos sociais e com a sociedade para a valorização e promoção da cultura negra e das populações negras. “A nossa luta é contínua, e não se resume apenas a uma ação pontual. Nosso trabalho é promover o diálogo entre a pesquisa acadêmica e a militância negra; abrir um espaço de integração entre os estudantes e os pesquisadores e promover a extensão de atividades culturais do povo negro”, afirma.
Sobre o Grupo - Criado em 2002, o Grupo de estudos Afro-Amazônico é vinculado ao IFCH da UFPA, com a finalidade de criar uma interface entre a Universidade e a sociedade, desenvolvendo atividades nas áreas de ensino, pesquisa e extensão, particularmente, da população negra na Amazônia. Propor políticas públicas que visem ao combate ao racismo e à eliminação da discriminação racial e criar um espaço de diálogo e de trocas de experiências entre a Academia e os Movimentos Sociais Negros são alguns dos objetivos do Grupo.

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Representante da Universidade de Cabo Verde discute cooperação com a UFPA

Com o objetivo de estabelecer cooperação em ações de estudos,  programas e projetos de Extensão, especialmente sobre educação e segurança, o pró-reitor para Graduação, Desenvolvimento Curricular e Qualidade Acadêmica da Universidade de Cabo Verde (Uni-Cv), professor Bartolomeu Lopes Varela, foi recebido pelo pró-reitor de Extensão da Universidade Federal do Pará, Fernando Arthur Neves, nesta segunda-feira, 14.
Participaram do encontro o assessor de Gabinete da Pró-Reitoria de Relações Internacionais da UFPA (Prointer), Marcelo Galvão, o coordenador da Casa Brasil-África, professor Hilton Silva, os coordenadores do Curso de Especialização de Educação de Jovens e Adultos Privados de Liberdade do Instituto de Educação (ICED), professor Orlando Souza e professora Ney Cristina.
Troca de Experiências - Durante o encontro, foram compartilhadas experiências  dos Sistemas de Educação Superior do Estado do Pará e de Cabo Verde sobre segurança, especialmente de jovens em situação de vulnerabilidade. Foram destacados os  estudos desenvolvidos na Universidade Federal do Pará sobre a temática, tanto no Curso de Especialização de Educação de Jovens e Adultos Privados de Liberdade quanto no Mestrado em  Segurança Pública do Programa de Pós-Graduação em Defesa Social e Mediação de Conflitos (Ppgdsmc). O professor de Cabo Verde relatou a atuação de Organizações Não Governamentais (ONGs) que atuam no país para o tratamento de jovens usuários de entorpecentes. O pró-reitor de Extensão da UFPA propôs a produção de ebooks para publicação das experiências e dos estudos envolvendo  os dois países.
Língua Portuguesa - A aproximação linguística entre o Brasil e a República de Cabo Verde também obteve destaque na conversa entre os pró-reitores. Segundo o professor Fernando Arthur Neves, o relacionamento entre os países por meio de suas universidades também cumpre um papel de proteção e fortalecimento cultural da Língua Portuguesa, comum às duas nações.
Congresso sobre Segurança - Durante o encontro, foi informado sobre a realização de um Congresso de Segurança envolvendo as duas universidades, previsto para 1º de novembro de 2015, na Uni-CV. O objetivo é discutir segurança, com base em práticas e em teorias educacionais.

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Smile recebe aporte de R$ 365 milhões para expandir rede 4G na África


A Smile Telecoms Holdings Ltd (“Smile”), que é proprietária e opera as redes de banda larga 4G LTE móvel e sem fio na faixa de 800 MHz na Nigéria, Tanzânia e Uganda, obteve um financiamento de dívida e capital de US$ 365 milhões.
Smile Telecoms Holdings Ltd (“Smile”), que é proprietária e opera as redes de banda larga 4G LTE móvel e sem fio na faixa de 800 MHz na Nigéria, Tanzânia e Uganda, obteve um financiamento de dívida e capital de US$ 365 milhões.
O capital será usado para expandir as redes e serviços existentes de 4G LTE da operadora. O projeto da Smile é  até o final de 2015 oferecer serviços de voz clara e ter cobertura nacional comparável à da maior rede 3G em cada um dos seus países atuais de operação. A Smile também lançará sua rede de banda larga na República Democrática do Congo (“RDC”) no início de 2016.
aporte é composto de US$ 50 milhões de patrimônio líquido, obtido junto à Public Investment Corporation em nome do Government Employees Pension Fund (“PIC”) (Fundo de Pensões dos Funcionários do Governo) e uma linha de crédito multi-jurisdicional e de várias parcelas de US$ 315 milhões.
O financiamento é liderada pelo African Export-Import Bank, com participação do Banco de Desenvolvimento da África Austral, Diamond Bank PLC, Ecobank Nigeria, a PIC, a Industrial Development Corporation of South Africa Limited e Standard Chartered Bank.
Sob os termos, o financiamento será usado para acelerar os lançamentos da rede nacional, incluindo equipamentos e serviços fornecidos pela Alcatel Lucent e Ericsson, uma rede MPLS (Multiprotocol Label Switching) completa, um London Point of Presence (Ponto de Presença de Londres) e serviços internacionais de backhaul expandidos, e para financiar as despesas operacionais e o capital de giro.
O objetivo da Smile é se tornar a provedora de banda larga favorita para dados super-rápidos e voz clara em cada um dos seus mercados e para fornecer mais de 300 milhões clientes potenciais em seus quatro países de operação com uma plataforma rápida, confiável e de alta qualidade para acelerar o desenvolvimento e criação de riqueza.
financiamento é um dos maiores levantamentos de capital para uma operadora de telecomunicações na África e eleva o financiamento total comprometido a Smile desde sua fundação em 2007, para cerca de US$ 600 milhões.

Leia mais em http://www.bitmag.com.br/2015/09/smile-recebe-aporte-de-r-365-milhoes-para-expandir-rede-4g-na-africa/#BvGve0FmIVoBB6vO.99

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Convite para alunos congoleses da UFPA para participação em roda de conversa sobre o Congo.

A CBA esta trabalhando na produção de materiais sobre os países africanos para informar os alunos (da UFPA e de fora) a partir do ponto de vista dos próprios africanos. Vamos iniciar uma conversa a partir do Congo, que é um dos países menos conhecidos. Para isso convidamos os alunos Congoleses para uma conversa na Casa Brasil África, no dia 3 de setembro, quinta-feira, as 14h. Por favor venham e, se possível, tragam objetos, musicas, tecidos e outras coisas que lembrem o seu país. Oportunamente reuniremos c os alunos de outros países também.

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Em África, chefe da diplomacia brasileira deve acompanhar crise em Bissau

Embaixador do Brasil junto à ONU, Antonio Patriota, disse que reuniões recentes demonstram um grau "relativamente elevado de preocupação da comunidade internacional" com a situação no país africano.
Crianças na Guiné-Bissau. Foto: Unicef Guiné-Bissau
Laura Gelbert, da Rádio ONU em Nova Iorque.
A situação da Guiné-Bissau é uma das questões que deve ser acompanhada pelo  ministro brasileiro das Relações Exteriores na visita que efetua até esta terça-feira ao continente africano.
Em conversa com a Rádio ONU, em Nova Iorque, o embaixador do Brasil junto às Nações Unidas, Antonio Patriota, disse a crise guineense continua a ser seguida pelo seu país, que lidera a Configuração Guiné-Bissau da Comissão da Constituição da Paz das Nações Unidas.
Antonio cut 1
"Continuaremos acompanhando de perto. O ministro Mauro Vieira das Relações Exteriores do Brasil estará na região, inclusive Senegal e Cabo Verde e terá a oportunidade também de avaliar, tomar um pouco a temperatura da situação sob a perspetiva de atores significativos regionais nesta questão".
Assessoria da Cplp
O périplo do chefe da diplomacia brasileira inclui também a República Democrática do Congo e os Camarões, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Brasil.
Antes, o representante brasileiro na ONU disse que tanto os países da estratégia para a Guiné-Bissau como o Conselho de Segurança demonstram um grau "relativamente elevado de preocupação" com a situação no país africano.
Competências
Numa reunião do órgão na sexta-feira, Patriota falou ainda sobre a "necessidade de se examinar a questão da delineação das competências entre a função do presidente e a função do primeiro-ministro".
Ele afirmou ainda que "eventualmente a Comunidade de Países de Língua Portuguesa poderá prestar alguma assessoria" num processo, se for o caso, "conduzido obviamente pelos próprios bissau-guineenses."