quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

EXPOSIÇÃO NÓS DE ARUANDA

A partir do dia 7 de março de 2014, começará a segunda versão da exposição Nós de Aruanda na galeria de arte Theodoro Braga na Fundação Tancredo Neves (CENTUR). Assim como na primeira exposição, realizada em 2013, o projeto visa a inserção e legitimação dos artistas de terreiro no circuito artístico de Belém e de todo o estado do Pará.
Com realização e curadoria do Grupo de Estudos e Pesquisa Roda de Axé (GEP), essa segunda edição da exposição reúne 50 artistas de vinte terreiros, incluindo coletivos como o AFAIA, Grupo Bambaré e o Coletivo Corpo Sincrético que apresentam como obras: esculturas, performances, intervenções urbanas, fotografia, música, entre outras linguagens.
Entre as motivações do trabalho do GEP – Roda de Axé, busca-se “a resistência pelo direito à consciência do sagrado de Povos Tradicionais de Terreiros de Matriz Africana no Pará em exposição coletiva, onde esperamos contemplar a diversidade dessa produção periférica, como um discurso afirmativo do protagonismo afro-amazônico na produção de poéticas visuais”. E por essa razão, todo o processo de construção está baseado no respeito à coletividade e na valorização da diversidade, bem como o esforço em tirar do anonimato e do silenciamento, a luta de mulheres negras e afro-religiosas, como a história de Mãe Doca, a homenageada da exposição.

A homenageada
Mãe Doca é Nochê Navakoly, maranhense de Codó cujo nome de batismo civil era Rosa Viveiros, iniciada nas tradições afro-brasileiras pelo africano ManoelTeuSanto, seu Vodun era Nanã e Toi Jotin. Por cultuar divindades africanas e preservava as tradições de matriz afoamazônica, Mãe Doca foi presa diversas vezes na década de 1890, quando a abolição já havia sido declarada. E apesar de toda a violência sofrida, Nochê Navakoly jamais desistiu de manter aberto em Belém oTerreiro de Tambor de Mina, lugar sagrado onde mantinha preservadas as tradições de suas origens.

A origem do projeto
O professor e pesquisador Arthur Leandro (Instituto de Ciências da Arte da Universidade Federal do Pará), o Tata Kinamboji, recorda que no ano de 2008 quando saía com seus irmãos de santo de uma cerimônia realizada no Forte do Castelo em Belém, convidou-os para verem sua obra exposta no Museu da Casa das 11 Janelas, mas o grupo manifestou que aquele espaço não seria um lugar para o povo de terreiro
Afirma o professor que, “todo o movimento de realizar essa exposição é também um projeto político para mostrar ao povo de terreiro que qualquer lugar é lugar pra gente e que quem faz nossos lugares somos nós, que depende de nós a nossa legitimação nesses espaços que até então eram únicos e exclusivamente de deleite da elite”.
Foi então que em 2011 durante as aulas do curso de especialização em Saberes Africanos a Afrobrasileiros na Amazônia do Grupo de Estudos Afro-Amazônicos da Universidade Federal do Pará (GEAM/UFPA), surgiu a ideia da exposição, efetivada em 2013 e mantida em 2014.

Programação
Além da exposição, acontecerão:  Rodas de conversa com artistas e pesquisadores nos dias 14, 21 e 28 de março. Sempre às 15h. Performances no dia 6 de março com Bruno B.O. (Hip­hop), Carlos Cruz (performance de rua) e Nazaré Cruz (tranças e moda afro). Dia 14 de março com o Coletivo Corpo Sincrético (O corpo trai), Zezinho do Mocambo (Corporeidade). Dia 21 de março com Alan Fonseca e Sttefane Trindade (A cabaça de Anansy) e Ekedy Janete. Dia 28 de março com o coletivo AFAIA, Grupo Bambarê (Griot) e Duda Souza (Um (en)canto de Oxum). Sempre a partir das 18h. Exibições da Rede de Cineclubes de Terreiro/ PARACINE nos dias 11 de março, 18 de março e 25 de março, a partir de 16h.


Serviço: Exposição Nós de Aruanda de 7 a 25 de março de 2014, na Galeria Theodoro Braga | Fundação Cultural do Pará Tancredo Neves | Endereço: Av. Gentil Bittencourt, 650, Térreo. Belém (PA). | Telefone: (91) 3202-4313O acesso é gratuito e horário de funcionamento da Galeria é de 9h às 18h, exceto às segundas-feiras. Confira a programação completa no blog http://afroamazonico.blogspot.com.br/